“Não há quem seja mais frágil do que aquele que se anestesia com os elogios que recebe.

A pessoa inteligente não faz conta dos elogios baratos, mas prefere uma crítica honesta, que venha com a intenção de lhe trazer perfeição.

Tolo será sempre aquele que se ‘engorda’ com lisonjas à sua inteligência, ao seu saber, à sua riqueza ou beleza. Nem desconfia de que os mesmos que o lisonjeiam são os mesmo que zombam da sua mediocridade e da sua estultice.

Prefira a  crítica honesta ao falso louvor.”

texto: J.S. Nobre