vivitblog-post163-nova-york-descomplicada-hoteis-big-apple-capa

Oi, pipow! Quem me acompanha aqui e nas redes sociais, percebeu que eu estava viajando. Passei duas semanas perambulando pela capital do mundo, Nova York. Por isso e por já ter visitado a cidade algumas vezes consideráveis, resolvi fazer uma serie de posts sobre vários assuntos relacionados a viagem, começando pela reserva do hotel. Bem-vindos à NOVA YORK DESCOMPLICADA: hoteis na Big Apple.

Quando comecei a pesquisa sobre os hoteis que tinha interesse em me hospedar, a reclamação era sempre a mesma: quartos muito pequenos. E é assim mesmo, se você não estiver a fim de investir muito (#temposdecrise) nesse quesito, vai encontrar um quarto de 12m² no máximo (contando quarto e banheiro). Minha media inicial era de R$800/diaria, mas como deixei para reservar mais próximo a data da viagem (NÃO façam isso!) e coincidiu com a New York Fashion Week e US Open, os preços foram lá pra cima e acabei tendo que pagar R$1000/diaria em media.

A verdade é que a cidade oferece centenas de hoteis, dos mais variados valores, nas mais diferentes localizações e que têm uma media de ocupação de 80% durante todo o ano. Ou seja, os preços nunca são ‘amygos’. A vantagem dessa quantidade enorme de hoteis, é que você sempre vai encontrar um que te atenda. Sempre! Esses foram os que eu cotei, olha só:

vivitblog-post163-nova-york-descomplicada-hoteis-big-apple-hudson-new-york

  • Hudson New York: fiquem apaixonada nesse hotel! Super descolado, decoração in-crí-vel, piso de madeira nos quartos (ponto mega-blaster-positivo…limpeza não é forte da cidade), no topo de Hell’s Kitchen e no ‘pé’ do Central Park, ao lado da Columbus Circle, enfim, tudo perfeito. Mas a reclamação maior era o tamanho dos quartos Standard, serem muito pequenos. Tava até disposta a encarar um ‘cubículo chic’, mas pulei fora quando o preço subiu demais e saiu do meu orçamento. Mas ainda quero conhecer, numa próxima vez (Nova York é assim, uma vez que você vai, quer voltar sempre!).

 

vivitblog-post163-nova-york-descomplicada-hoteis-big-apple-empire-hotel

  • Empire Hotel: aquele luminoso vermelho no rooftop do prédio fez meus olhos brilharem. Já sabia que seria o mais caro dos que eu estava pesquisando, mas quem sabe não aparecia uma promoção, né! O hotel fica no começo do Upper West Side, ao lado do Lincoln Center. A região é dos phynos e moderninhos, diferente do Upper East Side, mais tradicional e chiquetoso. Minha sale imaginaria fail e fui pra próxima opção de hotel.rs

 

vivitblog-post163-nova-york-descomplicada-hoteis-big-apple-wyndham-new-yorker-hotel

  • Wyndham New Yorker Hotel: vizinho do Empire State Building e ‘grudado’ na 34th Penn Station, era uma das minhas primeiras opções. O hotel é lindo, todo em estilo art déco, inaugurado em 1929 e reformulado em 2000. A localização é um ponto mega positivo, principalmente se você está indo pela primeira vez à Nova York, pois fica no Garment District, em Midtown, ótimo para ir tanto pra Uptown, quanto pra Downtown, no meio do caminho. Perdi a chance de reservar quando o preço estava convidativo…fica pra próxima!

 

vivitblog-post163-nova-york-descomplicada-hoteis-big-apple-paramount-hotel

  • Paramount Hotel: e esse foi meu escolhido! Hotel com uma fachada lindíssima em estilo renascentista francês e áreas comuns assinadas pelo designer Philippe Starck de cair o queixo. Deixei me levar pelos meus olhos de arquiteta quando vi o lobby com uma luminária de piso do Tom Dixon e passei 11 noites no menor quarto de hotel da minha vida! Não gosto de falar mal, mas vou dar minha opinião sincera: só voltaria se fosse para ficar num quarto maior e, consequentemente, mais caro. Ele fica do ladinho da Times Square, na rua do apartamento que aluguei em 2013, a 46th (Little Brazil), perto de todos os teatros da Broadway e tem uma cafeteria orgânica na esquina, a Pret a Manger e isso compensou todo ‘aperto’, literalmente. A verdade é que a felicidade de estar viajando é tão grande, que você acaba fazendo ‘vista grossa’ pra algumas coisas, né! No final, foram dias maravilhosos!

Fiz toda compra de passagens, seguro de saúde e reserva do hotel pela agencia Travel Time Turismo, que teve a maior paciência do mundo (obrigada, Gi!) com a minha indecisão entre os hoteis!rs Mas se você for mais ‘cibernético’ e corajoso, pode fazer tudo pela internet também. Eu prefiro pela agencia, porque assim tenho a quem recorrer caso aconteça algum probleminha.

Moral da historia: se você estiver disposto a investir bastante no melhor hotel (das outras vezes, sempre me hospedei no Grand Hyatt Hotel, maravilhoso e bem mais caro…’vacas gordas’, né mores), vai fundo! Agora se for só pra dormir e tomar banho, como eu, dá pra economizar e fechar os olhos pra certas situações. Nesse caso, não se deixe enganar por lobbies suntuosos e localização perfeita, porque você vai dormir numa lata de sardinha sim!

Espero que gostem dessa serie de posts NOVA YORK DESCOMPLICADA. Tem muito mais por vir nas próximas semanas: pontos turísticos, museus, lojas, comprinhas, shows, restaurantes e mais. Não vai perder, hein!

Beijo, outro, tchau.